See other templates

O início - A História da CEPA e o Brasil

Na realização do I Congresso Espírita Pan-americano, o esforço empreendido por um destacado grupo de espíritas argentinos, tendo à frente o Sr. Hugo L. Nale acompanhado pelos Srs. Natalio Ceccarini, Naum Kreiman, Santiago Bossero, Humberto Mariotti, José Tejada, Luis Di Cristóforo Postiglioni, Antonio Melo, Albíreo Barcón e Elías Toker, teve o reforço, em determinado momento do processo de organização, de notáveis espíritas brasileiros tais como Deolindo Amorim, coronel Pedro Delfino Ferreira, Aurino Barboza Souto, participantes da antiga liga Espírita do Brasil, e outros de São Paulo e Porto Alegre, como Dr. Paulo Hecker.

Assim se fez a presença brasileira nos primórdios da organização da CEPA. Participaram ativamente desse I Congresso Pedro Delfino, Paulo Hecker e Ismael Gomes Braga. Este último representando a Liga Espírita do Brasil apresentou um trabalho sob o tema “Esperanto para os Espíritas”.

O II Congresso, realizado no Rio de Janeiro de 3 a 12 de outubro de 1949, foi organizado pela Liga Espírita do Brasil sob a presidência de Aurino Barboza Souto e secretariado por Deolindo Amorim. Participaram desse Congresso personalidades do espiritismo brasileiro como Lins de Vasconcellos, Carlos Imbassahy, Lauro Sales, Francisco Klors Werneck, o deputado Campos Vergal, coronel Delfino Ferreira, Leopoldo Machado, João B. Chagas, Eden Dutra Nascimento, Sebastião Costa, Euripedes de Castro e muitos outros representantes de organizações estaduais do Brasil, desde Pernambuco até o Rio Grande do Sul. As circunstâncias permitiram que os brasileiros reunidos nesse Congresso tivessem a oportunidade de iniciar a aproximação do Movimento Espírita Brasileiro em torno da FEB. Alcançaram um entendimento e criaram o Conselho Federativo Nacional. Ainda nesse Congresso foi eleito o segundo presidente da CEPA, o coronel Pedro Delfino Ferreira, um brasileiro, que cumpriu o triênio 1949 – 1952.

O III Congresso Espírita Pan-americano realizado em Havana, Cuba, de 3 a 11 de outubro de 1953, sob a presidência de Miguel Santiesteban, transcorreu sob influência de líderes cubanos juntamente com o apoio portorriquenho, que determinaram uma orientação divergente das origens da CEPA, introduzindo mudanças, dando ênfase ao aspecto científico da Doutrina, causando o afastamento dos brasileiros por alguns anos.

No VI Congresso realizado em Buenos Aires, Argentina, entre 5 e 12 de outubro de 1963, o Brasil se fez representar através de sete sociedades adesas à CEPA

Fez parte da mesa diretiva do Congresso, como presidente de honra, o Dr. Carlos Jordão da Silva, e entre os participantes destacou-se o Dr. Euripedes de Castro.

A delegação brasileira participou do XII Congresso, em Cartagena, Colômbia, de 5 a 9 de maio de 1982, sendo presidente honorário o Dr. Francisco Thiesen, presidente da Federação Espírita Brasileira. O Dr. Thiesen fez a abertura dos trabalhos do Congresso. Fizeram também parte dessa delegação o Dr. Juvanir Borges de Souza, vice-presidente da FEB, e as professoras Cecília Rocha e Nelia Seles.

De 16 a 21 de outubro de 1984 em Mar Del Plata, Argentina, realizou-se o XIII Congresso com a participação, como presidente honorário, do Dr. Francisco Thiesen e, como membro da Comissão de Imprensa, do Sr. Divaldo Pereira Franco.

Em 1986, quando da realização da X Conferência Regional da Confederação Espírita Pan-americana, em Foz do Iguaçu, Brasil, de 20 a 24 de outubro, integraram a mesa diretiva os Srs. Francisco Thiesen, presidente da FEB, Guaracy Paraná Vieira presidente da Federação Espírita do Paraná e Divaldo Pereira Franco, vice-presidente da CEPA Participaram ainda vários delegados brasileiros.

Do XV Congresso Espírita Pan-americano, realizado em Caracas, Venezuela, de 2 a 6 de outubro de 1990, participaram como conferencistas, pelo Brasil, o Dr. Jaci Régis e o Arquiteto Ciro Pirondi. Durante as décadas de 70 e 80 figuraram nomes do Brasil na CEPA como delegados correspondentes Deolindo Amorim e Noraldino de Melo Castro, e como delegados especiais Divaldo Pereira Franco e Antônio de Paiva Melo.

Divaldo Pereira Franco foi eleito vice-presidente por várias gestões consecutivas de 1972 a 1990.

O Brasil e a CEPA em nossos dias

Nos últimos anos a CEPA tem tido o apoio e a participação de vários grupos brasileiros, principalmente depois que o venezuelano Jon Aizpúrua assumiu a presidência. Cumprindo seu segundo mandato, como presidente, vem desenvolvendo um grande trabalho de divulgação entre os grupos, casa espíritas e Universidades, e podemos dizer mesmo que a Confederação Espírita Pan-americana vive hoje um período de intenso crescimento no Brasil.

Durante o ano de 1996, em uma de suas viagens ao Brasil, Jon Aizpúrua visitou o Centro Cultural Espírita de Porto Alegre, tradicional instituição espírita gaúcha, que recentemente havia aderido à CEPA e seria um elo importante da CEPA no Brasil. Participaram mais de 70 brasileiros do XVII Congresso Espírita Pan-americano acontecido em Buenos Aires em outubro de 1996. Foi eleito para a 2ª vice-presidência da CEPA Milton Rubens Medran Moreira. Ficou ainda estabelecido que a sede do XVIII Congresso Espírita Pan-americano seria a cidade de Porto Alegre, Brasil. Esse Congresso, previsto para ser realizado em 1999, foi posteriormente adiado para o ano 2000, isto é, 51 anos após o histórico Congresso realizado no Rio de Janeiro.

No ano seguinte, 1997, o presidente da CEPA, Jon Aizpúrua, cumprindo sua agenda de divulgação do pensamento da Confederação Espírita Pan-americana e da Doutrina Espírita, retornou ao Brasil e cumpriu um amplo roteiro de visitas, encontros, palestras, entrevistas aos jornais, e participação em programas de rádio e TV nas cidades de São Paulo, Santos, Mogi das Cruzes, Londrina, Porto Alegre e Santa Maria. Dando cumprimento aos objetivos de ampliar a ação da Confederação no Brasil, realizou em São Paulo o I Encontro de Delegados e amigos da CEPA.

Destacamos na cidade de São Paulo a entrevista gravada pela rádio Boa Nova com Amilcar Del Chiaro e Eder Fávaro, Jornal Correio Fraterno e a Folha Espírita onde foi entrevistado pela Dra. Marlene Severino Nobre e a visita à União das Sociedades Espíritas – USE onde realizou debate sobre O Espiritismo e o Movimento Internacional coordenado por Eder Fávaro.

Em 1998, Jon Aizpúrua novamente em visita ao Brasil cumpriu extensa agenda de compromissos, visitando várias cidades. Em São Paulo lançou seu livro “El Pensamiento Vivo de Porteiro”, no anexo aos Congressistas, do Memorial da América Latina, além de realizar palestras em Centros Espíritas da cidade. Sua visita foi noticiada em vários programas de rádio, revistas e jornais da imprensa espírita e leiga. Foi entrevistado por Amilcar Del Chiaro e Éder Fávaro, atual presidente da ABRADE (Associação Brasileira dos Divulgadores Espíritas), durante o programa Atualidades Espíritas da Rádio Boa Nova.

Nessa ocasião participou, na região do Brás/Moóca no Centro Espírita “José Barroso”, de um encontro com dirigentes espíritas representantes de várias entidades, entre elas C. E. “Irmã Carolina”, C. E. “André Luiz”, C. E. “Nova Era” e C. E. “Pai Jeremias”.

Visitou Londrina, no Paraná, onde fez várias conferências, sendo uma na Universidade Estadual de Londrina, no Núcleo Universitário Espírita, e ali foi entrevistado pelo jornal a Folha de Londrina, de ampla penetração na região.

Em Curitiba realizou palestras no Centro Espírita “Luz Eterna”, visitou o campus da Universidade Espírita (Instituto Nacional de Pesquisas Psicobiofísicas) e fez palestra no Hospital de Psiquiatria “Bom Retiro”, sendo ali recebido por um grupo de médicos, entre eles Dr. Alexandre Sech. Foi também recebido pelo o Sr. Napoleão de Araújo, presidente da Federação Espírita do Paraná.

Ainda em Curitiba aconteceu o II Encontro de Delegados e Amigos da CEPA no Brasil, numa reunião bastante produtiva para a divulgação do trabalho da entidade.

Já em Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina, foi recebido pelo Dr. Mário São Thiago do Instituto de Cultura Espírita, realizando palestras no Instituto e no Centro Espírita Seara dos Pobres. Participou também de entrevistas em programa de televisão.

Fez a abertura do I Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita de Porto Alegre e participou de várias conferências e entrevistas de rádio e TV.

Em todas essas cidades por onde tem passado deixa sempre firmado o ideal kardecista, bem como os princípios da Confederação Espírita Pan-americana. Por isso mesmo o crescimento da CEPA no Brasil vem se intensificando a cada dia, pois dela se acercam líderes espíritas integralmente identificados com seus ideais.

Topo