Parabéns Jacira

jaciraNo mês de maio de 2024 encerrou-se o período de 8 anos na presidência da CEPA- Associação Espírita Internacional- da brasileira e querida amiga Jacira Jacinto da Silva. Não iremos pormenorizar nesse artigo todos os atos e objetivos de seu mandato, o que não é o caso para um breve artigo da imprensa espírita.

Para quem deseja conhecer melhor o pensamento de Jacira no âmbito da administração da CEPA recomendamos o artigo “objetivos estratégicos para o livre pensamento espírita e para a CEPA”, de autoria de Jacira Jacinto da Silva e Mauro de Mesquita Spinola, datado de 15 de janeiro de 2024, que pode ser encontrado no seguinte endereço eletrônico cepainternacional.org.

Faremos, nesse momento, apenas uma pequena análise de algumas poucas características pessoais de Jacira que foram levadas para a presidência da CEPA nesse longo período de dois mandatos.

Jacira, sobretudo, possui um grande apreço pela obra de Allan Kardec, é, como costumamos dizer, uma kardecista de mão cheia. Uma estudiosa atenta e incansável da filosofia espírita.

Mas não é uma idólatra da obra do professor francês. Entende perfeitamente que as circunstâncias históricas em que a obra de Kardec foi elaborada e os condicionamentos culturais de encarnados e desencarnados, inclusive do próprio Kardec, na edificação da obra, devem ser levados em consideração se pretendemos um espiritismo para o século XXI.

A partir dessa compreensão, Jacira, em seus anos de presidência, fez grandes esforços para a realização do que chamamos, já há alguns anos, de atualização do espiritismo, sem que esta atualização perdesse de vista as bases fundamentais colocadas por seu fundador.

Outra característica de Jacira é sua extrema sensibilidade social. Sua sensibilidade já era plenamente conhecida ao tempo em que era juíza de direito, época em que, ousadamente, para os padrões médios dos profissionais de sua área, realizou atividades de ressocialização de presos, como nos relata em seu livro Criminalidade: Educar ou Punir?editado pelo CPDoc- Centro de Pesquisa e Documentação Espírita, no qual conta sua interessante experiência.

Por ocasião de sua presidência na CEPA, jamais escondeu seu desconforto com esse mundo de desigualdades e injustiças no qual vivemos. Buscou colocar a filosofia espírita no mundo contemporâneo, através de sua atuação no movimento espírita laico e livre pensador, sempre em sintonia com os problemas sociais de nosso tempo.

E, finalmente, Jacira buscou criar laços de amizade com outros espíritas no mundo, através de suas viagens por vários países, buscando estabelecer pontes de diálogo, sob as bases do livre pensamento e da alteridade.

Seu companheiro de vida, Mauro Spínola, também membro do Conselho Executiva da CEPA, foi fundamental nessa trajetória de sucesso de Jacira, com seu apoio e trabalho incansáveis, merecendo, por isso, destaque especial.

Merece destaque também todo o Conselho Executivo da CEPA que atuou durante os dois mandatos de Jacira. Os que lideram sabem que sem companheiros dedicados nada se faz nesse mundo. Jacira foi uma liderança que valorizou o coletivo, sem personalismos menores, e foi, por isso, profundamente democrática em suas administrações.

Como um dos coordenadores da coleção livre- pensar: espiritismo para o século XXI , editadas pela CEPA e CPDoc, que já vai para a sua segunda série de livros, é necessário lembrar e agradecer todo o apoio de Jacira a esta iniciativa. Do primeiro momento em que apresentamos o projeto ao Conselho Executivo da CEPA até os dias de hoje seu apoio foi permanente e pleno em entusiasmo.

Parabéns Jacira! Sua tarefa foi cumprida brilhantemente. Agora você merece alguns dias de descanso das muitas atividades nas quais está envolvida, inclusive, das numerosas e extenuantes atividades da Fundação Porta Aberta, instituição que se tornou um paradigma de eficiência e seriedade em seus objetivos de assistência social.

Só nos resta dizer, como espíritas laicos e livres-pensadores brasileiros, que nos orgulhamos muito dessa grande mulher brasileira que ora deixa a presidência da CEPA.

Desejamos ao novo presidente da CEPA, José E. Arroyo, de Porto Rico, e sua diretoria, toda a sorte para a nova fase. Os desafios para uma instituição tão importante ao movimento espírita internacional são imensos, dada a complexidade de uma instituição que tem que lidar com espíritas de vários países, cada qual com seu movimento espírita, história e cultura peculiares.

Enfim, que a CEPA continue trilhando pelos caminhos de um espiritismo verdadeiramente kardecista, progressista, progressivo, laico, humanista e livre-pensador. Um espiritismo capaz de dialogar com as complexidades científicas, filosóficas, culturais, éticas e sociológicas deste século XXI.

Ricardo de Morais Nunes

Presidente da CEPABrasil